segunda-feira, 8 de março de 2010

Está mal

Disseram-me assim: "não posso dizer mal da Sandra Bullock nem do filme, porque ainda não vi".
As pessoas estão sempre a usar este argumento - não dizer mal sem ver o filme, sem ler o livro, sem experimentar o vestido. Concordo que se deve deixar a maledicência para momentos vis e baixos que todos devemos evitar. Mas não concordo que não se possa formar uma opinião ainda antes do primeiro contacto.
Lamentavelmente, algumas coisas são intrinsicamente más e não precisamos de tentar gastar o nosso tempo com elas para perceber tal verdade. Eu não vi o filme com a Sandra Bullock nem quero ver, porque tenho 99% de certeza que vai ser mau. E, sinceramente, o 1% de margem de dúvida não me incomoda o suficiente para perder tempo a ver o filme.
Tal como nunca li nenhum livro de Nicholas Sparks nem vi nenhum filme baseado na obra do senhor e tenho 100% certeza de que não prestam. Não preciso de ver. Qualquer pessoa sabe.
Da mesma forma que algumas coisas, na vida e no mundo, estão certas e estão erradas, sem relativismos ou margens para dúvidas. Converso algumas vezes com um indivíduo meu conhecido a fazer doutoramento em Ética, que diz que é muito complicado decidir sobre a excisão feminina, porque "faz parte da cultura das pessoas". Pois. Mas há tradições e costumes errados que têm de se mudar. Mais uma vez, qualquer pessoa sabe.
Lembrei-me disto porque é Dia da Mulher. E há coisas intrinsicamente más. Não preciso de ver o filme ou experimentar o vestido para saber.

3 comentários:

Bruno Taborda disse...

Com pedido de perdão antecipado pela falta de chá: Bullock ou Bollocks, eis a questão...

100% de acordo, não vi, não quero ver, e já vi esta senhora a estragar filmes suficientes para não perder o meu tempo.

Fado Alexandrino disse...

Vi, comentei no meu blog, o filme é péssimo ela como sempre é péssima e o post é excelente.
E tenho 200% de certezas de que vai continuar tudo igual.
Onde eu aumento as certezas para, digamos, 3724% é na questão da excisão.
Se o seu amigo tivesse um, ele ia mudar muito rapidamente de opinião quando visse o facalhão.
Fiz uma rima sem querer e vai ser difícil voltar a acontecer, Oops!

Rita F. disse...

Bruno e Fado, é bom confirmar que não estou a perder nada por não ver o filme.

Fado, o tal indivíduo não é meu amigo, é meu conhecido. Quer dizer, ele nem é má pessoa, mas pronto, esclarecer que é só meu conhecido.