domingo, 13 de junho de 2010

Marchas populares


Eh pá, adoro marchas populares.
A qualidade musical é tão excelsa que tenho muita pena de ninguém se ter lembrado de gravar o repertório em CDs, para eu poder comprar e ouvir todos os dias. Será que a recolha de Giacometti e Lopes Graça contempla as marchas populares? Se não contempla, devia.
O guarda-roupa é cuidado e interessantíssimo, de grande fiabilidade histórica e extremamente revelador dos diferentes bairros de Lisboa e da pluraridade cultural dos mesmos bairros.
As coreografias são complexas e estruturadas, de grande expressividade, o complemento perfeito da riqueza musical a que já aludi.
No seu todo, as marchas populares são um evento pleno de significado cultural onde a sociedade portuguesa revela a sua índole popular tão gira, sendo que são as marchas, igualmente, o melhor sítio para se ir ver o povo. De vez em quando, é bom ir ver o povo, ver como vivem, como falam, aquilo que os move, comove e demove.
Eu acho o máximo. Adoro marchas populares, logo seguidas de teatro de revista, essa outra marca indelével do povo. Ainda bem que vivemos num país onde há tanto povo por todo o lado.

4 comentários:

José disse...

Que biliosa! Adoro.

Rita F. disse...

Adoro a palavra "biliosa". Como se diz nos Maias, gosto de me despejar de toda a bílis.
É necessário, às vezes. A purga - há que viver com ela.

AmaliaPorAmor disse...

Olá Rita! Fiz um upload do album "Marchas Populares" da Amália Rodrigues... espero que goste!



http://www.mediafire.com/?d3t32ntzjjy


http://www.amaliaporamor.blogspot.com

Rita F. disse...

Muito obrigada, já fui ver (isto é, ouvir). Com a voz da Amália, é impossível não gostar. :)
No entanto, Amália é Amália. Além da voz e interpretação inexplicáveis, repertório irrepreensível.
O mesmo não se passa com as marchas populares que passam na TV e arraiais e sei lá o quê. Não são exactamente como as marchas da Amália.
No entanto, muito obrigado mais uma vez por ter deixado aqui um exemplo de que, com qualidade, até as marchas soam bem. :)