quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Gaja que devia fazer o meu estilo mas não faz: Audrey Hepburn


Eh pá, pronto, tudo bem, matem-me, esfolem-me, mas eu não consigo gostar da Audrey Hepburn, mais, não a consigo suportar.
É bonita? É. Linda, até.
É doce e encantadora? É.
Tinha estilo e vestia-se bem? Sem dúvida, melhor do que a princesa Di (que teve um "di-sastre", coitadinha - mil desculpas, a piada de mau gosto foi mais forte do que a minha má pessoa).
É boa actriz? Pois, para mim não é. Acho, até, espantoso como não se fala mais na pouca versatilidade da Audrey como actriz.
O meu problema é que eu vi três filmes com a Audrey Hepburn - My Fair Lady; Sabrina; Breakfast at Tiffany's. Achei-a um desastre em todos. Só na Sabrina é que se safava, mas isso era porque o que o papel exigia somente sorrir e ser encantadora, e isso a Audrey era-o, de facto.
No My Fair Lady, achei-a um erro total de casting (foi, aliás, uma das críticas que se fizeram ao filme na altura, e eu concordo inteiramente). Não convence ninguém com o mau sotaque cockney. É, pura e simplesmente, refinada de mais e não consegue enfiar-se numa personagem de rapariga de rua, quase rufia.
Em Breakfast, pior ainda. A Holly é quase uma mulher perdida, uma aventureira sem rumo, e a Audrey Hepburn, com o bandolim ou o que era, a tocar a lamechiche do Moon River, tem ar de menina de colégio interno a quem as freiras deram meia-hora para ir à janela suspirar, antes de marchar para a cama às 8 da noite. Qual festas malucas, qual dinheiro de tipos da Máfia, qual quê.
Enfim. Como ícone, a Audrey é soberba. Tem um arzinho muito simpático, uma carinha linda de morrer. Na tela, infelizmente, não faz nada o mais estilo. Até me enjoa um bocadinho. Prefiro a outra Hepburn, a Katherine. Para desenjoar.

4 comentários:

José disse...

Ah, que malandrice!
Eu só vi o Tiffany's, e achei bastante deliciosa. Não se compara com a Elizabete, claro. Com a Katharine só vi o Suddenly e outro qualquer, uma comédiazinha num escritório. Amei-a em ambos. A Audrey envelheceu lindamente. Vi um vídeo dela no youtube já com uma certa idade entradota, e estava melhor do que eu aos 22. E eu até sou bastante bonita, atenção!

Rita F. disse...

Zé, longe de mim duvidar da tua beleza ou da beleza da Audrey. :) E concordo com o facto de ter envelhecido esplendidamente, e além disso trabalhou para a UNICEF e isso tudo.
Mas não gosto dela em filmes. Ou talvez não tenha gostado dos filmes que ela fez, talvez seja isso.

José disse...

Carambas, então vou ter que ver mais filmes com ela. Por acaso tenho cá o Sabrina. Gosto do Wilder, mas achei o The lost weekend um bocado, como dizer... velho? E ando para rever o Sunset Boulevard há imenso tempo. Acho que Janeiro é o meu mês do cinema, já que em Fevereiro voltam as aulas e os livros. Oh, Deus!
(A palavra de verificação é «malli», delicioso)

Rita F. disse...

Não vi o Lost Weekend, mas se me dizes que é "velho" também não fico com vontade de ver.O último que vi dele nos últimos tempos foi "O Apartamento", e achei bem giro. Aquele Jack Lemmon é tão mimosinho! E a Shirley McLaine também. Além disso, é um filme arrojadinho, a Shirley tem um affair com um homem casado e tal.
Olha, o que eu apoio é reveres o Sunset e escreveres sobre isso! Vê lá se aproveitas estas semanitas antes de Fevereiro, que o filme merece. :)