sexta-feira, 16 de julho de 2010

Peixe!


Por razões geográficas, tenho comido muito pouco peixe, que é como quem diz, há semana e meia que não como peixe. E compreendo agora como tal prejudica o estado de espírito.
A carne embrutece um bocado. Sanguinolenta, animal, pesada, acompanhada por molho ou batatas ou arroz, tudo ali se conjuga para nos cair no estômago como uma bola mal amanhada de massa pastosa, avermelhada, que se espalha pelo sangue e nos torna moles, indolentes, pusilânimes, dormentes.
Nada como um peixinho grelhado para animar. Neste momento, sinto que se comesse peixe, o sangue correria nas veias com outra força, o coração bateria com mais aprumo, o cérebro, que sinto perro, enferrujado, estulto, sacudiria todas as teias de aranha e entraria rapidamente no seu funcionamento mais perfeito, bem oleado e eficaz, pronto a decifrar todas as complexidades do mundo exterior que, neste momento, me parece uma amálgama meio amorfa de cores, sons desarticulados, movimentos vagos.
De modo que, neste momento, os meus sonhos estão repletos de suculentos robalos bojudos, que chegam até mim com a pele a estalar, dourada e saborosa, e com o garfo, cuidadosamente, afasto a cobertura estaladiça em que brilham os grãos de sal e vejo as postas brancas a fumegar, a esperar que o garfo as desfie com cuidado em gordos pedaços que irão acalmar o meu sistema digestivo, que deles bem está necessitado. Ou, em alternativa, um bacalhauzinho na grelha, a cheirar a alho e azeite, adornado por batatinhas bem esmurradas, a saltar da pele castanha. Ai.
Que bem que se come em Portugal.
Que bem que o peixe faz ao espírito.

4 comentários:

Andorinha disse...

Que saudades de peixe...ler este texto foi para mim um acto de masoquismo!

Rita F. disse...

Já que não como peixe, escrevo sobre comer peixe. Alivia um bocadinho (só mesmo um bocadinho). :)

Fado Alexandrino disse...

Gosto imenso de aforismo, segue um:
Peixe não puxa carroça"

Maariah disse...

Este teu texto fez-me lembrar os meus tempos de estudante. Lembro-me que passava a semana sem comer peixe e quando ia a casa dos meus pais ao fim-de-semana era o que pedia à minha mãe para fazer: peixe.