segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Post clubístico


Sempre achei que Soren Kierkegaard era um homem com muitas coisas interessantes e acertadas sobre a vida, nomeadamente no que respeita à multidão e às massas. Segundo Kierkegaard, a verdade não está na multidão, mas sim no indivíduo - a multidão mente.
Humildemente, concordo com Kierkegaard. Concordo, mas com limites. Há alturas em que a multidão não mente, e tenho um exemplo muito claro - o jogo de ontem, Benfica vs Porto, no Estádio da Luz. Foi todo um ritual que muito aprecio - cachecol vermelho ao pescoço, estádio, "SLB, SLB, SLB" em uníssono, golo aos vinte e tal minutos, euforia, bife à Portugália no fim.
Quando estas actividades ritualísticas e em massa terminaram, e quando finalmente me vi livre da multidão, senti-me muito bem e muito reconfortada. Embora seja sempre fundamental regressar ao colo da nossa solidão, há momentos em que a multidão não mente. De vez em quando, lembra-se de dizer a verdade.

3 comentários:

José disse...

Foste, verdadeiramente, ao estádio?

Fado Alexandrino disse...

Não sei onde, li que era natural que naquele concurso de televisão onde o concorrente podia pedir a ajuda do público, esse mesmo público raramente errava na resposta.
Isto porque havia uma lei qualquer que indicava que uma multidão acaba sempre por dar a resposta certa.

No caso de ontem isso era mais que evidente sendo que a única excepção sabida é quando essa mesma multidão se concentra no Estádio do Dragão.

Encontrei entretanto aqui um apontamento sobre este assunto.

Méon, disse...

Giro! Muito giro!
Gostei de vir aqui, há muita coisa para ler e... reflectir.
E como também me conforto com o benfiquismo... senti-me em casa!

Saravá!