quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Contra a obediência ?

Há tempos, uma colega minha dos seus cinquenta anos lamentou-se devido à situação de uma amiga próxima, de idade semelhante, que passava por um divórcio amargurado, pelo menos para ela, para a amiga. O marido tinha encontrado outra com metade da idade e já estavam a viver juntos.

Fora um duro golpe para a amiga. Ela, que cuidadosa e amorosamente depositava, todas as manhãs, sobre lençóis repuxados de brancura, a roupa que o marido deveria usar naquele dia, sem esquecer a gravata a condizer com o lenço. Como a gente costuma fazer aos filhos.

A amiga perguntava-se com mágoa, "o que é que eu fiz?, o que é que eu fiz?". Fez-me muita impressão. Essa colega que eu conhecia respondia-lhe, pelos vistos, que "a outra faz é coisas que tu não fazes. Tens de perceber isto, ela faz é outras coisas".

Estas outras coisas que uma faz e a outra não lembraram-me vagamente aquela música dos Beatles que é o "Please, Please Me" e que também tem a ver com isto, com o facto de haver pessoas que não fazem coisas, conduzindo assim a algum lamento por parte do sujeito poético, que queria que as mesmas coisas se fizessem, mas depois pensei que isto era eu a especular e a querer retirar ilações parvas, e não é de fazer ilações que se está aqui a falar.
Mas bom. Como não conheço esta pessoa que atravessou o divórcio nem falo há já muito tempo com a colega que me falou do mesmo divórcio, estou à vontade para tecer considerações, e tecê-las-ei.

Primeiro, o divórcio deve ser a maior merda. Sob todos os aspectos - se as pessoas ainda gostam uma da outra, é provavelmente horrível, se já não gostam, também deve ser uma tristeza perceber que houve um dia em que olhámos para aquele sapo/a ferrugento/a e o/a considerámos o maior príncipe/princesa à face da Terra. É triste.

Segundo, para as mulheres de uma determinada geração, ou de uma determinada pré-disposição e índole, há certas coisas que são sempre mais difíceis, porque as mãezinhas, as amiguinhas e a sociedade em geral atafulharam-lhes a mente de ideias, enfim... para não fugir do tema, chamemos-lhes ideias castradoras. Na adolescência, começa a fazer-se equivaler a qualidade do ser humano ao saber comportar-se segundo certos valores muito estimáveis, e dar-se ao respeito e etc. O mesmo, presumo eu, se passa com os homens. Não desviar muito da norma para não dar mau aspecto. Conformismos, diria qualquer pessoa que pertença aos Rage Against the Machine. É a vida, diriam todas as outras que, independentemente de gostarem de Rage ou não, são pessoas normais.

E porém, deve chegar ali uma altura em que tudo aquilo dá um nó, em que já não se sabe o que se quer, em que afinal a ideia do casamentozinho, da casa, do carro, dos filhos, começa a não parecer boa ideia, eh pá, como é que eu me meti nisto. E depois aparece alguém novo, que faz coisas que pelos vistos os outros não fazem, e abre-se a porta ao regabofe. Sai-se de casa, estraga-se tudo.Deve ser por isso que ouço tantas histórias de pais de família que começam a perseguir rabos de saias. E as mulheres  matronas e casadíssimas a mesma coisa, apaixonam-se pelo primeiro gabiru que lhes aparece à frente - a pressão de fazer as coisas bem resulta nesta ironia de começar a fazer tudo mal, de ser desobediente. Ou talvez não.

É bom que se estrague tudo se estamos infelizes e precisamos de mudar. Se calhar não estamos a estragar tudo, estamos a arranjar. Mas a verdade é que não há nada perfeito, e crescemos nesta ilusão de que, ponto um, é possível ter tudo, ponto dois, ser boa pessoa é fazer tudo certinho, a partir de uma certa idade deixa-te lá de coisas que não és rebelde, és mas é ridículo.

Não se pode ter tudo. E podemos sempre arranjar maneira de não fazer aquilo que nos dizem, mesmo que seja difícil. Eu sempre fiz tudo o me diziam e continuo a fazer, infelizmente. Era e sou obediente. E a batalha da minha vida é essa, é lutar contra a obediência. Custa muito. Mas enfim, cada um com a sua cruz. No entanto, também é preciso aceitar que a vida nunca vai ser completamente perfeita, nem vivida em completa felicidade. Às vezes, há chatice com a qual temos de lidar. Saber distinguir a chatice da verdadeira infelicidade, daquela que nos deve levar à desobediência, é por vezes difícil.

E tudo isto porque a sociedade nos mete tralha na cabeça. Estou tão farta de tralha.

7 comentários:

Jamil P. disse...

a vida em sociedade supõe certamente a observância de certas regras de convívio, padrões (aceitáveis) de comportamento etc; e a mudança desse status é muito lenta etc; bom, se aceitamos e queremos conviver com isso, não podemos simplesmente culpar a sociedade integralmente pelo fracasso em nossos relacionamentos; no caso do divórcio, quando há filhos menores envolvidos, especialmente, acredito que haja uma dose grande de egoísmo (do casal) envolvida, além, claro, de ciúmes, insatisfação etc; a vida após o casamento exige renúncias e sacrifícios em benefício da família, e sobretudo dos filhos menores; e por aí vai, é o que penso neste momento

Rita F. disse...

Jamil, sim, concordo que não se pode culpar a sociedade por todas as nossas frustrações, ansiedades e desejos não cumpridos. Mas também me parece que os objectivos que delineamos para nós são muitas vezes a correspondência com a sociedade e os valores culturais impostos, e não haveria problema se isso coincidisse com as nossas próprias aspirações individuais, mas muitas vezes não coincide. Pode ser difícil distinguir entre aquilo que nos faz feliz porque é o que queremos como seres humanos e aquilo que nos satisfaz porque vai ao encontro do que é culturalmente esperado de nós. Podem ser duas coisas inteiramente diferentes. Se não formos psicopatas e o género de pessoa que é feliz a matar outras pessoas, em princípio conseguimos algum equilíbrio. Afinal, viver em sociedade é tranquilo, dá-nos segurança e apoio, é bom. Não é do nosso interesse ser contra isso ou ir contra a ordem social se não a consideramos particularmente opressiva.
O que, acho eu, queria dizer com o post é que há decisões fundamentais que às vezes tomamos que são quase exclusivamente determinadas por esse desejo cultural de corresponder ao que a sociedade dita - como os casais que começam a namorar aos 15 anos e aos 27, em vez de acabar e começarem finalmente a viver e a conhecer mais mundo, decidem casar-se. É claro que isto é uma generalização e portanto é enganosa. Mas há casos assim, em que pensamos que queríamos uma certa coisa e, quando a conseguimos, vimos que não é assim, afinal eram os outros que nos diziam que devia ser assim, e não nós. E isto é diferente de adaptar o comportamento ao casamento e aos filhos, que evidentemente exigem mudanças. Quando fazemos algo heterónomo, que não vem de nós, chegamos a um ponto em que partimos tudo e toda a gente sofre. O ideal é encontrar sempre um ponto comum entre as nossas aspirações como seres humanos e a ordem social. Mas nem sempre é fácil.
Acho que era isto. Obrigada pelo comentário. :)

ركن الامثل disse...

افضل الخدمات المنزلية المقدمة بمدينة الخبر من شركة تاج 0551844053 فخدمات شركتنا عديده ومتعددة ومنها شركة تنظيف منازل بالخبر
شركة تسليك مجارى بالخبر
شركة تنظيف بيوت بالخبر
شركة تنظيف سجاد بالخبر
شركة تنظيف شقق بالخبر
شركة تنظيف فلل بالخبر
شركة طيوب لتسليك المجارى بالقطيف
شركة تنظيف مجالس بالخبر
شركة تنظيف كنب بالخبر
شركة طيوب لتسليك المجارى بالخبر

ركن الامثل disse...

شركة المثالية للتنظيف بالجبيل
شركة مكافحة حشرات بالقطيف
شركة مكافحة حشرات بالجبيل
شركة المثالية لمكافحة الحشرات بالجبيل
شركة المثالية للتنظيف بالدمام
شركة المثالية للتنظيف بالخبر
شركة المثالية لمكافحة الحشرات بالدمام
شركة تسليك مجارى بالقطيف
شركة تسليك مجارى بالجبيل
شركة تسليك مجارى بالاحساء

娛樂城註冊送 disse...

汽車分期車增貸
車貸可以降息
他行汽車代償轉貸增貸
降低利息
車貸降息免煩惱
14年車銀行汽車貸款
可辦汽車貸款未過件‎
銀行車輛貸款
中古車銀行貸款

視訊聊天室 disse...

免費視訊秀短片
情色網
免費視訊聊天
色ut聊天室
免費正妹交友
亂倫小說
靓女黃片
性愛夫妻
熱舞日本影片

a片影片 disse...

性感荷官
成人貼圖
偷拍
巨乳內射多P癡女
色情援交
推薦紅利
德州撲克遊戲
線上投注
色遊戲